Agents of S.H.I.E.L.D.: 5×03 – A Life Spent (ABC)

O texto que se segue CONTÉM SPOILERS.

Em tempos, uma viagem ao espaço pode até ter parecido excitante para esta equipa. Mas quando essa viagem inclui um salto até um futuro distópico onde o que resta da humanidade é explorada e obrigada a lutar em combates até à morte para satisfazer os desejos de extraterrestes com péssimo sentido de estilo, o que é que isso significa? Que estamos no filme “Thor: Ragnarok”?

Bom, na verdade não porque, combates à parte, ao menos Sakaar é mais interessante do que esta estação, e o Grandmaster é, sem dúvida, uma personagem bem mais interessante do que Kasius. Mas ainda assim, parece quase impossível ver o episódio e não pensar no divertido terceiro tomo da história de Thor, que estreou há uns meses e que deu mais um impulso às explorações intergaláticas do MCU. Claro que aqui estamos numa situação diferente: enquanto “Ragnarok” se passa no presente, os agentes da S.H.I.E.L.D. estão agora no futuro, sem saberem muito bem como voltar a casa, mas as coincidências são mais do que muitas: aquela cena do combate, em que vemos Kasius e companhia a assistir à luta, lembra tanto uma das cenas do filme do deus do trovão, que não parece ser coincidência. Pena é que este episódio não tenha estado à altura do filme, especialmente a nível do ambiente descontraído aí gerado.

Compreende-se, claro. Depois da terrível revelação, há que lidar com a nova realidade: Phil e companhia estão perdidos no futuro, sem qualquer esperança de voltar para casa, para junto dos que mais amam. Como reagir a uma situação destas? Desistindo? Aceitando o destino traçado e tentando viver da melhor forma possível? Esta é uma questão que se põe, a certo ponto do episódio. Mas, felizmente, e tal como vimos no final da temporada anterior, esta equipa não é de desistir e irá, por isso, de tudo fazer para conseguir descobrir o que verdadeiramente aconteceu e, se possível, voltar a casa. E ainda bem que ninguém desistiu porque, como descobrimos no final do episódio, pode haver ainda alguma réstia de esperança, com a chegada daquela transmissão da Terra. Haverá ainda gente a viver na Terra? E terão eles a explicação de como a equipa foi parar ao espaço? Questões em aberto que, esperamos, sejam respondidas em breve.

Enquanto Phil e May reflectem sobre a situação em que se encontram, há quem não aceite a suposta culpa em toda esta história e decida investigar o que realmente aconteceu, como acontece com Daisy. Honestamente, também me parece estranho estarem a culpar a Quake pelo que aconteceu porque uma coisa é ela ser poderosa, mas outra muito diferente é ela ter o poder de destruir um planeta. A Quake é poderosa, sim, mas não é nenhuma Phoenix nem nenhum Galactus! Palpita-me que vamos descobrir, em breve, que afinal a Quake não tem nada a ver com isto. Mas até lá, infelizmente para a jovem, ainda vai ter de penar, especialmente agora que Zeke a traiu e revelou a Kasius a existência de mais uma competidora para aqueles jogos de morte marados. O que irá Kasius fazer agora que descobriu mais uma inumana poderosa na estação? Será que vai ficar mais intrigado com ela do que ficou com Jemma? Convinha, porque a verdade é que algo está, aqui, muito mal explicado.

Portanto, no episódio anterior, Kasius ficou fascinado por Jemma, que tem conhecimentos médicos (e um palminho de cara), e resolveu adoptá-la (assim como quem adopta um animal de estimação. Então e não achou estranho ter ali, de repente, alguém que nunca viu? Que tem conhecimentos que os restantes humanos não têm? Que parece tão deslocada? A sério que não? Desculpem, mas isto não faz qualquer sentido. E muito menos o faz dar a Jemma a oportunidade de treinar uma jovem inumana para o combate, sem saber se, para além de conhecimentos médicos, a Jemma também faz uma perninha como psicóloga / treinadora de inumanos. Sim, as cenas da Jemma com a miúda até foram interessantes, e o combate em si foi bem mais duro do que estava à espera para uma série na ABC, mas há qualquer coisa nesta história que não está a encaixar bem. Esperemos que nos próximos episódios isto fico um pouco mais claro, e que as intenções de Kasius façam mais sentido.

Antes da despedida, algumas notas finais:

  • A menção do multiverse foi bastante interessante, confirmando algo que já sabíamos, mas agora com uma menção directa. A transmissão está a chegar de 616, que para a Marvel é o universo oficial da banda desenhada. O Marvel Cinematic Universe é, pelo contrário, o universo 19999. A primeira menção já tinha surgido em “Doctor Strange”, mas aqui tornou-se mais explícito, e pode ajudar a explicar esta subida viagem dos agentes da S.H.I.E.L.D. até ao futuro. E se, em vez de viagens no tempo, tivermos aqui viagens entre universos? Pode ser bastante interessante, especialmente numa época de grandes mudanças na Casa das Ideias.
  • Por falar em personagens da FOX, e os inumanos? O que vai acontecer agora? A Disney acabou de comprar a FOX. Poderão as personagens que ainda estavam com a FOX vir a passar para o MCU? Todos sabemos que o MCU pegou nos inumanos porque não podia usar os mutantes, pois tinha vendido esses direitos. Mas agora que o negócio do ano aconteceu, e que já não há impedimento nenhum, irá a Marvel decidir deixar os inumanos de lado? Já se especula isso há algum tempo, e de facto até “Agents of S.H.I.E.L.D.” parece estar a dar menos ênfase a estas personagens. Com a questão de universos alternativos na mesa, iremos ter uma substituição dos inumanos pelos mutantes a curto-médio prazo? Algo a considerar.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.