Everything Sucks! (T1): Uma viagem no tempo com alma e coração

O texto que se segue NÃO CONTÉM SPOILERS

O ano é 1996. A maioria das personagens têm 15/16 anos. Tendo nascido em 1981, há uma identificação pessoal com “Everything Sucks!” que até hoje raramente encontrei.

Sem se preocupar com as típicas (e banalizadas) abordagens às dificuldades de integração social, evitando a explorada até à exaustão segregação jocks, nerds, stoners, e outras que tais, “Everything Sucks!” apresenta-se como uma história de coming-of-age sincera e credível.

Poucas são as séries que tenha visto que abordem os anos da adolescência em que tenha sentido uma conexão tão intrínseca. As únicas três que vale a pena mencionar, apesar da sua inegável qualidade, nunca o conseguiram por diferentes razões. “Freaks and Geeks” porque decorria no início da década de 80, “My So-Called Life” porque exagerava na quantidade de tópicos tabu que queria abordar e “Friday Night Lights” porque apresentava uma realidade muito específica.

“Everything Sucks!” consegue ser um reflexo mais honesto dos meus anos de adolescência, mesmo com todas as variações sociais e culturais que implicam as duas realidades (a descrita pela série e a vivida por mim). Mais do que simplesmente me contar uma história, aviva-me a memória. Não pelas temáticas, pois essas são universais e mantém-se actuais, mas sim pelos pormenores que mais ninguém alguma vez voltará a experienciar (uma cassete encravada num auto-rádio, uma página web a carregar, uma ida ao videoclube). E, depois, a música, que assume um papel determinante na série: Oasis, Tori Amos, Spin Doctors, Duran Duran e… Ace of Base.

Apesar de “Everything Sucks!” propor acima de tudo uma viagem nostálgica, a sua obsessão em reviver os anos 90 não interfere com a necessidade de atenção das suas personagens, sentindo-se um cuidado em lhes dar dimensão. O elenco, apesar de praticamente desconhecido, é, na sua maioria, bastante competente (há um ou outro elemento mais fraco, naturalmente) e a história vai ganhando consistência de episódio para episódio (especialmente a forma como vai sendo construída a relação que se desenvolve entre os dois únicos adultos da série). “Everything Sucks!” não é um flashback inócuo; é antes uma viagem no tempo com alma e coração.

5 opiniões sobre “Everything Sucks! (T1): Uma viagem no tempo com alma e coração”

  1. Achei piada a esta série, mais do que pensava de início.
    Gostei das homenagens aos anos 90, mais até do que algumas histórias e personagens (aquele clube de teatro… barf).
    E os Ace of Base a bombar. E os Roxettte.
    Ahhh, saudades dos 90s… 🙂

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.