The Handmaid’s Tale: 2×03 – Baggage (Hulu)

O texto que se segue CONTÉM SPOILERS

Num episódio tão cruel, é de admirar que se tenha conseguido espaço para tamanha pérola: “Blessed be the Froot Loops.”

Na verdade, “Baggage” desenrola-se sem o habitual murro no estômago que tão sadicamente manobra as emoções do espectador semana após semana. Tenso, é certo, muitíssimo tenso – a banda-sonora esteve exímia no curso da fuga de June (Elisabeth Moss) -, mas sem apresentar a violência física e psicológica que são bandeira à distopia. De tal maneira, que se acredita realmente na possibilidade daquele voo com destino ao Canadá poder ser levado a cabo, sem se obscurecerem por completo as memórias de uma série que continuamente prima pela ausência de esperança. Eis que no último minuto a possibilidade de fuga se vê uma vez mais deitada por terra. Promessa curta que culmina numa cena dolorosa de testemunhar. Aquela que aparentava poder ser a linha condutora da temporada, essa perspectiva de fuga iniciada no fim do primeiro episódio, cedo se vê posta de lado. Daqui para a frente, com um reforçar da vigilância – roça o ridículo Nick conseguir encontrar-se com June -, será provavelmente impensável uma nova tentativa.

Num episódio que trouxe Luke (O-T Fagbengle) e Moira (Samira Wiley) de regresso ao panorama, talvez se encontre nestes um próximo passo a dar. Sem ir muito a fundo, “Baggage” mostra-se resumo da condição actual de ambos. Conta-se pouquíssimo sobre Luke, e somente no interior do apartamento, mas atenta-se ao sentimento de impotência que sente e deixa transparecer na postura. Moira acaba por receber maior destaque, resultando em contornos de carácter bastante interessantes. Continua a usar o nome Ruby para lidar com o sexo, numa cena que denuncia o quão danificada ainda se encontra. Acto de servidão e não tanto de auto-satisfação sexual. Liberdade relativa.

June: Later, my Mom told me they were writing down the name of their rapist. And I remember thinking, there were so many pieces of paper. So many, it was like snow.

Episódio de mãe e filha, “Baggage” introduz uma nova personagem que viria a servir de base à revolta de June já como handmaid. Os flashbacks inseridos de forma orgânica, num reavivar de memórias face ao presente. E neste aspecto há que salientar pela positiva o uso recorrente do slow-motion, técnica que em tantos outros produtos ficcionais cai num abuso excessivo e sem um propósito maior em vista. Em “The Handmaid’s Tale” encontra-se ao serviço dos sentidos, alongando no tempo memórias que substituem o que lhes foi roubado. Plano paralelo, sob o qual ainda têm controlo e identidade.

Depois das Colónias – a mãe de June talvez ainda seja uma personagem a reaver no cenário -, lança-se um olhar a uma outra classe baixa intitulada Econopeople. A segunda temporada continua a alargar o horizonte distópico.

 

2 opiniões sobre “The Handmaid’s Tale: 2×03 – Baggage (Hulu)”

  1. Nem sei o que dizer deste episódio, acreditei mesmo que a fuga era possível… Aquele último minuto obrigou-me a começar a horas tardias o quarto episódio da temporada 😀

    Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.