Legion (T2): Uma espécie de trip lynchiana, mas sem gajos a varrer o chão durante cinco minutos

O texto que se segue NÃO CONTÉM SPOILERS

Mindfuck, mind-orgy, mind-blowing, mind-bending… “Legion”, a série do FX baseada em super-heróis da Marvel, retirados do universo X-Men, ocupa um lugar na ficção televisiva actual quase ímpar, onde, juntamente com “Twin Peaks” – porventura uma das suas maiores inspirações -, nos oferece uma viagem em forma de delírio criativo pautado pelo meticuloso uso da imagem como forma narrativa.

Continuar a ler “Legion (T2): Uma espécie de trip lynchiana, mas sem gajos a varrer o chão durante cinco minutos”

Condor (T1): Adrenalina controlada

O texto que se segue NÃO CONTÉM SPOILERS

Com largas centenas de séries televisivas produzidas anualmente (o Presidente do FX até apresentou um relatório em que revelou que, só nos EUA, foram 487 em 2017), vivemos numa época em que ter uma série baseada num filme que, por sua vez, é baseado num livro é algo normal. “Condor”, produzida pela Paramount, MGM e Skydance, e exibida no AT&T, é a série em questão.

Continuar a ler “Condor (T1): Adrenalina controlada”

Doctor Foster | Marcella: Duas mulheres neuróticas

O texto que se segue CONTÉM SPOILERS

Para ressacar de uma primavera e início de verão chuvosos, nada melhor do que fazer um zapping entre as propostas da Netflix e ver o que sai na rifa. E o que saiu foram duas séries vindas deste lado do oceano: “Doctor Foster” (BBC) e “Marcella” (ITV).  A escolha parecia interessante, visto que do lado de cá se apreciam muito as séries britânicas dramáticas e, dentro deste género, as policiais. Juntando a isto o facto de termos como protagonistas duas mulheres fortes, era quase certo que a escolha era a mais acertada. Infelizmente não foi isso que aconteceu.

Continuar a ler “Doctor Foster | Marcella: Duas mulheres neuróticas”

Lost in Space (T1): Welcome to Terra Nova II

O texto que se segue NÃO CONTÉM SPOILERS

“Lost in Space” é um remake de uma série de 1965, mas as alterações à premissa original e sobretudo o desaproveitamento da mesma sentem-se quase como se fosse passada a papel químico de uma outra série bem mais recente.

Continuar a ler “Lost in Space (T1): Welcome to Terra Nova II”

Wild Wild Country (Docuseries): Quando a realidade se assemelha a ficção

O texto que se segue NÃO CONTÉM SPOILERS

Contado, ninguém acredita. Não é bem por estas palavras, mas no início da série documental produzida pelos irmãos Duplass há uma frase que remete exactamente para determinados acontecimentos em que realidade é tão surreal que parece ficção. A história que “Wild Wild Country” reconta é um deles.

Continuar a ler “Wild Wild Country (Docuseries): Quando a realidade se assemelha a ficção”

The Exorcist (T2): Uma temporada que deveria ser exorcizada

O texto que se segue NÃO CONTÉM SPOILERS

As heranças podem ser pesadas, como todos sabemos. “The Exorcist”, a série estreada na Fox em 2016, tinha uma dessas. Não é fácil pegar num livro icónico, adaptado a um filme que se tornou icónico, e fazer uma série que fosse menos que icónica. Mas, por vezes, os deuses do escrutínio parece que acordam perdulários e a primeira temporada, longe de ser icónica, lá escapou à desaprovação colectiva. Ganhou seguidores, surpreendeu até alguns dos mais cínicos, sobretudo por mostrar-se arrojada dentro das limitações que lhe foram impostas (não esqueçamos que estamos a falar duma série exibida em canal de sinal aberto, onde há determinadas regras a cumprir).  Com o relativo sucesso da primeira, seria de esperar uma segunda temporada livre de amarras. No entanto, havia uma a que não poderia escapar: o de manter intacto o legado deixado pela primeira.

Continuar a ler “The Exorcist (T2): Uma temporada que deveria ser exorcizada”

Waco (Minissérie): Quando a ficção dita a realidade

O texto que se segue NÃO CONTÉM SPOILERS

Quando uma obra de ficção se propõe a contar uma história baseada em factos reais, sobretudo quando aborda eventos que nunca poderão ser devidamente esclarecidos em toda a sua complexidade, e onde a percepção pública (que pode ser manipulada) e a realidade parecem reféns de um jogo de braço-de-ferro, há quase sempre envolvida uma interpretação dos factos, uma tomada de posição, que, mesmo feita inconscientemente, retira alguma credibilidade ao que se quer contar. “Waco” sofre dessa condição.

Continuar a ler “Waco (Minissérie): Quando a ficção dita a realidade”

Everything Sucks! (T1): Uma viagem no tempo com alma e coração

O texto que se segue NÃO CONTÉM SPOILERS

O ano é 1996. A maioria das personagens têm 15/16 anos. Tendo nascido em 1981, há uma identificação pessoal com “Everything Sucks!” que até hoje raramente encontrei.

Continuar a ler “Everything Sucks! (T1): Uma viagem no tempo com alma e coração”